terça-feira, 19 de maio de 2009

Le Mans : Rondeau M379B (nº17) 1980



Le Mans, 15 de Junho de 1980, 15:58. Chove copiosamente e Jaussaud ao volante do Rondeau M379B segue na última volta, com Ickx ao volante do Porsche 908/80 a uma volta. Mais ou menos a meio do traçado de La Sarthe, Jaussaud apanha um lençol de agua e o Rondeau sai em frente pela escapatória. Na boxe do pequeno construtor artesanal francês, o sangue gela a Jean Rondeau e restante equipa. “Isto não está a acontecer....” terá ele pensado.

Em 1980, usando o mesmo esquema de financiamento do ano anterior – um carro, um patrocinador – Rondeau consegue de novo inscrever nas “24 Heures” três dos seus M379 (versão B), em mais um sinal da sua persistência sem fim. Assim, apresenta-se em La Sarthe com o nº15 conduzido por Henri Pescarolo (F) /Jean Ragnotti (F), o nº16 conduzido por ele próprio na companhia de Jean-Pierre Jaussaud (F), ambos no Grupo 6 (Sport 2 litros), e o nº17 com Gordon Spice (GB) e os irmãos Jean-Michel e Pierre Martin (B), na categoria GTP. A prova ficaria caracterizada pela ausência oficial de um construtor, embora várias equipas privadas se apresentassem com o muito competitivo e já vencedor de Le Mans Porsche 935, e ainda a semi-oficial Porsche Martini Racing, de Reinhold Joest. com o Porsche 908/80 (um 935 alterado). No GTP, a já tradicional luta entre o Rondeau e a WM Peugeot continuava para um novo capitulo.

Durante os treinos cronometrados vários acontecimentos caricatos tiveram lugar. Primeiro, os cronometristas ameaçaram fazer greve, o que não tendo acontecido de facto não deixou de criar grandes dificuldades à organização para credibilizar os tempos cronometrados. Este facto forçou a organização a implementar um sistema electrónico de cronometragem, que na altura ainda estava em fase experimental, mas, em mais uma história rocambolesca, uma greve da EDF (Electricidade de França) com repetidos cortes de fornecimento de electricidade, mandavam regularmente os computadores abaixo. No fim, Pescarolo e Ragnotti obteriam a pole-position, enquanto que Fitzpatrick (GB)/Redman (GB)/Barbour (EUA) da equipa Dick Barbour Racing, inscrita na categoria IMSA com um Porsche 935 K3, ficariam em segundo lugar. No entanto, o melhor tempo da sessão de qualificação seria obtido por Fitzpatrick, que veria o seu tempo não ser homologado devido aos constrangimentos com a ameaça de grave dos cronometristas oficiais e devido aos problemas com a cronometragem electrónica, o que gerou uma enorme indignação na equipa americana e fortes protestos em várias equipas que não viram os seus tempos nem as suas melhores marcas serem reconhecidas. Ickx (B)/Joest (Ale) ficariam apenas com o quarto melhor tempo, à frente do Rondeau de Jaussaud e do próprio, apesar de terem feito o segundo melhor tempo, num exemplo entre muitos.

No dia 14 de Junho de 1980, às 16:00, chovia como nunca choveu numa edição das 24 horas de Le Mans. No arranque, Ickx simplesmente deixou-se ficar para trás pois o "spray" lançado pelos protótipos e pelos GT's do Grupo 5 era tanto que a visibilidade andava perto de nula, e ele conduzia um Porsche 908/80 aberto quando os restantes conduziam BMW M1, Porsche 935 e Rondeau fechados, o que lhe proporcionava maiores dificuldades de condução à chuva. Sem problemas dessa natureza, Fitzpatrick colocou-se logo na dianteira, passando Ickx e também Pescarolo. Mais atrás, Hans Stuck (Ale) fazia uma prova de outro mundo colocando-se em duas horas na segunda posição, quando havia arrancado em 26º lugar no seu BMW M1 da categoria IMSA. Ickx, que havia-se atrasado imenso durante a chuva, e o patrão Joest que completava a dupla da Martini Porsche, rapidamente se afirmaram como os mais rápidos em pista à medida que a chuva abrandava, ganhando posição atrás de posição e aproximando-se do top 5. Ainda antes das 4 horas de prova, o BMW M1 de Hans Stuck/Dominique Lacaude (Fra)/Hans-Georg Bürger (Ale), é atingido por destroços de um Porsche 935, de que resultam a destruição do radiador e do pára-brisas do GT alemão apoiado pela BMW Motorsport, vendo assim a sua prova irremediavelmente prejudicada.

Chegadas as 4 horas de prova, e começando o anoitecer em La Sarthe, Ickx/Joest lideravam no Porsche 908/80 da Martini Porsche, com Fitzpatrick/Redman/Barbour a 13 s no Porsche 935 K3 da Dick Barbour Racing; Wolleck (Fra)/Kelleners (Ale) a 16 s, num Porsche 935 K3 da Kremer Racing; Pescarolo e Ragnotti a 26 s no Rondeau; e Stommelen (Ale)/Plankenhom (Ale)/Ikusawa (Jap) a uma volta, num Porsche 935 K3 da Kremer Racing. Já depois da chuva ter parado e a pista começado a secar, Ickx começa a ganhar uns impressionantes 10 segundos por volta aos seus perseguidores quando um problema na bomba de injecção o faz perder 13 minutos na box para a sua substituição - era o primeiro golpe de teatro. Quando regressou à pista já tinha caído para a sétima posição. Mais à frente, com 6 horas de prova, é a vez de Wollek ir à box com o mesmo problema, deixando então Fitzpatrick na cabeça da corrida, com os dois Rondeau M379B de Pescarolo/Ragnotti e Jaussaud/Rondeau nas 2ª e 3ª posição.
A meio da prova, Ickx/Joest já haviam consolidado a liderança com uma volta de vantagem sobre Jaussaud/Rondeau, três sobre Fitzpatrick/Redman/Barbour e cinco sobre Spice/Martin/Martin, que continuavam a liderar a classe GTP sem oposição da WM Peugeot. De Cadenet/Migault/Wilson, fechavam o top 5 a seis voltas do líder, e estas posições mantiveram-se até às 18 horas de prova, quando se dá o segundo golpe de teatro. Ickx/Joest voltam de novo à box, desta vez com problemas de caixa de velocidades, levando-os a perder a liderança da prova, que passa para Jaussaud/Rondeau que ficam ainda com uma vantagem de 5 voltas. Meia hora depois, é a vez de Fitzpatrick/Redman/Barbour terem problemas com o seu Porsche 935 e perderem o 3º lugar para o outro Rondeau de Gordon Spice e dos irmãos Martin, mantendo-se no entanto na quarta posição.


Com 3 horas para o fim da prova, Jaussaud passa o volante para Rondeau que sai para a pista com pneus slick quando volta a cair uma forte chuva no circuito de La Sarthe surpreendendo o piloto-construtor francês nas curvas Dunlop, que não consegue evitar o despiste batendo nos rails de protecção. O motor vai abaixo e Rondeau só ao fim de imensas tentativas é que consegue voltar a colocar o V8 da Ford em funcionamento. Visivelmente nervoso com o sucedido, e vendo a vitória escapar-lhe por entre os dedos, Rondeau segue muito lentamente pela pista ignorando as trajectórias. Ickx começa a recuperar tempo com voltas 10 s mais rápidas do que Rondeau, que só fica uma hora em pista, entregando o seu protótipo a Jaussaud, de longe um piloto mais capaz e experiente para terminar a prova e segurar a vitória, que entra em pista na mesma com pneus slick pois já havia terminado de chover.A pouco mais de meia hora do fim da prova, a chuva regressa, e Ickx, que conduzia o último turno do Porsche 908/80, vai à box trocar para pneus de chuva, quando estava a 2 voltas de Jaussaud. Este decide não fazer o mesmo e aparentemente faz uma boa aposta pois consegue manter o comando da prova de forma segura apesar da aproximação de Ickx. A poucos minutos das 16:00, começa a chover copiosamente e Jaussaud ao volante do Rondeau M379B segue na última volta, com Ickx ao volante do Porsche 908/80 a uma volta. Mais ou menos a meio do traçado de La Sarthe, Jaussaud apanha um lençol de agua e o Rondeau sai em frente pela escapatória. Na boxe do pequeno construtor artesanal francês, o sangue gela a Jean Rondeau e restante equipa, mas Jaussaud consegue manter o carro em funcionamento e longe dos rails, voltando lentamente para a pista e conseguindo a primeira vitória de sempre de um piloto/constructor em Le Mans. Na volta de consagração, dezenas de milhares de adeptos inundam a pista em delírio, para dar a Rondeau e a Jaussaud aquela que foi talvez a maior ovação a um vencedor das 24 Horas de Le Mans.O filho de Le Mans havia ganho a prova...Ickx/Joest acabariam por se contentar com o 2º lugar, com Spice/Martin/Martin a completar o pódio, no segundo Rondeau, que vence ainda a classe GTP, de novo. Fitzpatrick/Redman/Barbour, uma das duplas que animou mais de metade da prova, ficariam em 5º lugar, contentando-se com a vitória na classe IMSA. Desiludido com a prova, Ickx chegaria a anunciar o seu abandono, mas mais tarde voltaria de novo a estar presente em Le Mans. (texto Autosport)

A miniatura é da Altaya fabricada pela IXO na escala 1/43.

3 comentários:

JB disse...

Muito bonita esta miniatura

Estou a espera do proximo numero o Ford GT40 com a decoração da GULF, uma miniatura lindissima tal como o modelo real.

Tema foi bem escolhido tendo em conta as 24horas de lemans neste fim de semana.
JB

RM Style disse...

A miniatura já chegou e por incrivel que pareça , a IXO/Altaya já tinha lançado esta mesma miniatura noutra colecção mas com erros de decoração (ver aqui Le Mans Ford GT 40 (nº6) 1969).

vr disse...

Só um reparo: este texto (o 2º de 4 capítulos) não é do Autosport mas antes de Hugo Ribeiro/Le Mans Portugal e foi, isso sim, publicado (originalmente) no fórum online do Autosport.
http://www.lemansportugal.com/?series=278
A menção correcta deverá ser, por isso: Hugo Ribeiro/lemansportugal.com
De qualquer forma, parabéns pelo blog e pela colecção.
Vitor Ribeiro/lemansportugal.com