quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Le Mans : Lancia Beta Montecarlo (nº51) 1980


A categoria Silhueta foi criada em 1976 a 1981 com o objectivo de fazer alinhar modelos numa série em Prtotótipos e os GT não se misturassem. A Lancia lançou-se então, em 1979, na categoria de menos de 2 litros com o Beta Montecarlo.

Em finais dos anos 70, o departamento de competição da Fiat foi confiado à Abarth que se encontrava saturada e incapaz de gerir as provas de resistencia em circuito. assim sendo, o conselho de administração aceitou inscrever um Beta turbocomprimido no grupo 5 de menos de 2 litros, ou seja, uma interpretação muito livre dos carros de série.

Já em 1980, a Lancia teve uma temporada com uma estreia perfeita com a vitória de Facetti e Finotto na sua categoria nas 24 Horas de Daytona (10º na classificação geral). A 16 de Março nas 6 Horas de Brand Hatch, Patrese e Rohrl conseguiram o scratch (vencer à geral), seguidos e Cheever e Alboreto, enquanto Facetti e Finotto terminaram em 4ºlugar. Patrese repetiu a proeza a 13 de Abril nas 6 Horas de Mugello, desta vez partilhando o volante do 1492 cc com Cheever, e Faceti/Finotto venceram na sua categoria com o 1426 cc. A 27 de Abril, nos 1000 km de Monza, os 1429 cc de Patrese/Rohrl e Cheever/Ghinzani terminaram respectivamente em 3º e 5º da geral, ao passo que os incontornáveis Facetti/Finotto venceram mais uma vez o Grupo 5 Divisão 2 (menos de 2 litros)

As corridas encadearam-se com outros tantos sucessos atá chegar o fim de semana de 14 e 15 de Junho de 1980 em La Sarthe. Na pesagem, contudo, a fábrica Lancia viu o cartão vermelho. Com efeito, os dois carros Lancia Corse (nº51 Darniche/Heyer/Fabi e nº52 Brancatelli/Alen/Ghinzani) e o do Jolly Club (nº53 Facetti/Finotto) começaram por ser recusados nas 24 Horas de Le Mans por causa do capot dianteiro ser composto de uma única peça (nos modelos de série diviadia-se em três segmentos) e da ausencia da saia traseira. Mas com base num artigo do regulamento que estipulava que um carro do Grupo 5 devia conservar a fórmula do modelo de série do qual derivava, mas não mencionava em nenhum lugar o número de peças, de que se devia compor, a Lancia via Fiat acabou por ganhar a causa e pode alinhar os seus três Beta Monte Carlo inscritos.

Mas nunca é de demais de repetir que as 24 Horas de Le Mans são dificeis, não só pela duração, mas também pela configuração do circuito e pela sua interminável recta que puxa ao máximo pelos motores durante muito tempo. A partir da segunda hora, partiu-se a correia da bomba do nº 51 após de apenas 28 voltas ao circuito, e o mesmo aconteceu ao nº52 quatro horas depois. Isso não impediu de Carlo Facetti e Martino Finotto de obterem a vitória no grupo 5 Divisão 2 (menos de 2 litros) e ficarem no 19º lugar da classificação geral. (Texto Altaya).

Os Lancia Betamontecarlo voltaram a Le Mans no ano seguinte com os Martini e Lubrifilm.

A miniatura é da Altaya na escala 1/43 com pormenor faltando os cabos que seguram o spoiler dianteiro.

Sem comentários: